Desculpe o transtorno, precisamos falar sobre aborto 

  Em pleno século XXI, cá estamos nós discutindo a descriminalização do aborto. E o texto de hoje é justamente sobre isso. Se você vai começar a ler a partir daqui, que fique claro: fiz com base nos dados obtidos pelo governo e pela Organização Mundial da Saúde, e expressei a minha opinião.

  Até chegar aqui, foram horas de leituras em sites governamentais, mundiais e científicos, comentários em páginas do Facebook e vídeos assistidos. Cheguei a uma conclusão: uma grande parcela da população julga o que pode ou não ser legalizado com base em suas convicções religiosas; ou seja: “abortar é pecado”, “ela só pensa nela, vagabunda, vai para o inferno”, “se não quisesse ter filhos, que não abrisse as pernas”, “só teve porque quis, poderia ter se prevenido” e tantas outras opiniões e julgamentos prévios, esquecendo que o corpo da mulher é exclusivamente dela e isso inclui o feto.

  De acordo com um levantamento realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em maio desse ano, o número de casos de aborto teve uma queda de 1990 para cá. Nos anos noventa, 40 em cada mil mulheres em idade fértil decidiram interromper a gravidez, atualmente, esse número caiu para 35 em cada mil.

  O Brasil é um dos 13 países da América Latina (onde há a maior incidência de abortos no mundo) em que interromper a gestação é crime, e é o país que sedia cerca de 729 mil a 1 milhão de abortos por ano. Já na América do Norte, uma pesquisa realizada pela agência estadunidense Associated Press revelou que, após a descriminalização do aborto, as taxas de realização do mesmo caíram 12%. Ano passado, o Deputado Jean Wyllys (PSol) protocolou um projeto de lei que autoriza o aborto em até doze semanas de gestação; ele afirma que o assunto é um tabu que deve ser quebrado.

  Apresentados os dados, vamos a realidade: enquanto as pessoas discutem sobre descriminalizar ou não tal ato, quantas mulheres morrem em clínicas clandestinas? Quantos “pais” abortam os filhos ao abandonar a mãe e o bebê e nada aconteceu?

  Vivemos em uma sociedade machista onde o corpo da mulher pertence à qualquer coisa, seja a opinião dos outros ou ao governo, menos à ela própria.

  Por mais que as pessoas queiram negar, os fatos estão aí: o aborto existe e é o quinto maior causador de mortes maternas no Brasil. A questão é: caso ocorra a descriminalização, o número de abortos reduzirá drasticamente, pois será feito da forma correta, com os procedimentos corretos.

  Quanto aos métodos contraceptivos, eles são suscetíveis a falhas; tanto o preservativo quanto as as pílulas anticoncepcionais. E aí?

  E para você, que é contra o aborto por suas crenças religiosas ou por ser “pró-vida”, quando tiver a oportunidade, olhe para a criança que pede esmola ou faz malabarismo no semáforo, que dorme embaixo de viadutos ou na frente da igreja, nos bancos das praças e etc. Esse sofrimento poderia ter sido evitado não é? Depois “bandido bom é bandido morto”.
  Gente, o corpo da mulher é dela. Ela decide o que fazer ou não. Por favor, se esvaziem de seus julgamentos e convicções por um minuto e reflitam sobre isso. Nunca se sabe o que levou uma mulher a fazer isso. Pode ter certeza que a legalidade do ato, não obrigará você a fazê-lo, apenas dará o direito de fazer, de maneira segura, quem sentiu a necessidade.

Fontes:

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/tv/materias/EXPRESSAO-NACIONAL/478093-ABORTO-E-UM-DOS-PRINCIPAIS-CAUSADORES-DE-MORTES-MATERNAS-NO-BRASIL.html
http://m.oglobo.globo.com/sociedade/saude/pesquisa-aponta-queda-no-numero-de-abortos-em-quase-todos-os-estados-dos-eua-16377853
http://www.ccr.org.br/editorial-detalhe.asp?cod=35

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/05/proibicao-nao-reduz-o-aborto-diz-pesquisa-da-oms.html

http://m.mdemulher.abril.com.br/saude/claudia/projeto-de-lei-que-legaliza-o-aborto-e-protocolado-na-camara-dos-deputados?utm_source=redesabril_claudiautm_medium=facebooktm_campaign=redesabril_claudia
http://m.mdemulher.abril.com.br/

britney-spears-do-you-wanna-come-over-kiss-web-rc3a1dio

Glory – O novo álbum da Princesa do Pop

Oi gente, como estão?

Vamo prum reviewzinho gostoso do novo álbum da Britney?

O álbum, previsto pra ser liberado pra venda no dia 26/08, começou a ser vendido em cópia física no México dia 20/08, ou seja um vazamento à moda antiga hahaha O material tem 17

article-2090028-1166424a000005dc-370_306x408
ah vai vazar meu álbum né

faixas na versão deluxe, que inclui o primeiro single Make me e Private Show. 

O álbum vazou e mal deu tempo de baixar e a equipe da Neyde acabou com a palhaçada tirando todos os streamings e links do ar, então quem conseguiu é rei. Como essa aqui que vos fala é ligadíssima, comprei o cd no hits e beats antes de dizimarem os links.

Não é segredo pra ninguém que a Britney não canta, né? Então o que você ouve é um robô simulando a voz da velha brit antes de 2007 (Polêmica!).

Então vamos as farof músicas! Começando com Invitation que assim como Moonlight da Ari tem um ar de introdução, ela é slow, e eu fico impressionada como é totalmente a voz dela só que alterada, muita reverberação e auto-tune, deve ser bem difícil ser B-army, viu …

Logo após vem Make Me, que é boa de verdade! Aliás, quero deixar bem claro, todas as músicas são boas, salvo algumas bem chatinhas, mas nenhuma é descartável. Make Me era o buzz single segundo o próprio famdom (não rendeu nos charts) mas por alguma razão entrou no álbum sim. Conta com a participação do G-Eazy (quem? Ah, um rapper aí…) e um print do clipe virou a capa do álbum, aproveitamento tour viu?? Tivemos uma polêmica também com o clipe, olha só:

O clipe original foi dirigido por David LaChapelle, que também era responsável pelo shoot neyde1-3-meme-britney-spearsda capa do álbum, mas por alguma razão ambos foram descartados e viraram esse quebra galho… ai preguiça viu?

Vamos adiante, depois do first single, vem Private Show, que é a única música que eu escuto a voz dessa garota! o albúm inteiro é gemidinho, sussurro e voz fininha, CANTA PRA FORA PORRA!

Logo depois em Man on The Moon, temos uma baladinha gostosinha com cheiro de encerramento, instrumentos de corda e uma vibe cantora-teen, com versos em francês(!), supreendente! Depois vem Just Love Me, que aos meus olhos (ouvidos) é a canção mais limpa em edição de voz dela, parabéns neyde! Lenta, sexy, sussurrada… sem muito a acrescentar.

Clumsy tem que ser single! Uma batida envolvente que de repente muda e te faz dançar sem perceber, é de farofão que a gente gosta! Prestem atenção nessa letra suuuuuper +18😛 Em Do You Wanna Come Over, somos instantâneamente transportados para 2000! Essa música ganhou uma coreo baphonica na residencia dela em Las Vegas.

Agora uma pausa para o hino do álbum: Slumber Party, um reggaezinho irresistível, supertumblr_nsvgvtwptd1u6n38po1_250 viciante, que merece clipe na praia e muuuita rebolação. Tem uma voz computadorizada meio WTF, mas ok, deixamos passar. Just Like Me, começa com uma voz & violão gostosa demais e de repente nos joga uma batida sexy digna de strip tease QUE HINO!

Em Love Me Down, ela novamente ela mistura uma batidinha mais tropical com trap music, consegue fazer com que uma música tenha vários blocos que se harmonizam, uma das mais bem produzidas com absoluta certeza! Com Hard To Forget Ya, o álbum ainda joga um pouco de rock misturado com eletrônico – que tem um refrão básico e nada impressionante – nem precisava estar ali.

What You Need é diferente e vintage, parece que veio de um musical da Broadway, é boa, dançante e faz com que Glory seja um álbum completo, são muitos estilos musicais! Better tem uma vibe techno 90’s muito gostosinha e a batida do momento: reggaeton.

Change You Mind, começa chatinha e quando tu pensa em pular, ela vem com uma energia, um refrão fantástico que te segura até o final da música só pra te fazer ouvir de novo, realmente, a produção desse álbum tá incrível – com direito a versos em espanhol – Britney internacional mesmo viu! Dizem que Liar é a grande resposta pra Cry Me a River do JT, tem um ar de “duelo” e um rock suave por trás, boa música!

If I’m Dancing é quase um funk do rj, gente! Juro pra vocês, que música boa! Começa com um batidão e vai te envolvendo e do nada você está rebolando. Rainha das pistas!

Temos uma música all french pessoal! Na mesma vibe de Invitation, Coupure Électrique vem fechando com chave de ouro esse álbum que com certeza marcou a volta da princesa do pop. Agora só falta cantar ao vivo né! hahahaha giphy

Acho que ficou claro que não sou uma grande fã, mas sei reconhecer um álbum bom e esse é. Músicas bem produzidas, gostosas e feitas pras pistas!

Você pode escutar o Glory aqui:

Nota 7 :*

capa-video-campanha

Conheça a HQ A Samurai: Yorimichi | Projeto no Catarse

E aí, galera! Belezinha?

Hoje a gente vai te apresentar essa HQ super bacana idealizada pela Mylle Silva. A Samurai: Yorimichi, é o segundo volume da história de Michiko, uma mulher que se tornou guerreira para lutar pelos seus sonhos e pelo seu propósito de vida.

samurai santos

Tudo começou em 2015 quando Mylle Silva elaborou o roteiro da HQ e reuniu oito talentosos quadrinistas para ilustrar cada um dos capítulos da história. São eles: Vencys Lao, Gustavo Borges, Herbert Berbert, Bianca Pinheiro, Mika Takahashi, Leonardo Maciel, Guilherme Match e Yoshi Itice. Agora, Mylle decidiu dar continuidade a história, que já está em fase de produção \o/

A história em quadrinhos é dividida em oito capítulos, cada qual com uma cor predominante e sob a responsabilidade de um artista diferente, tornando assim a leitura em uma experiência sensorial.

michiko_samurai_versoes_mylle-silva

E o mais importante: o enredo é carregado de protagonismo feminino, ao retratar uma heroína forte, determinada e nem um pouco sensualizada. Demais❤

Assim como no primeiro volume, a segunda parte da história também homenageia o artista Claudio Seto (1945 – 2008), transformando-o em um dos personagens atuantes da HQ, o Mestre Seto.

Sinopse

Depois dos acontecimentos do primeiro volume da HQ, Michiko e Yamada atravessam o portal e voltam 20 anos no tempo. Separada de Yamada, Michiko se torna uma samurai sem memórias ou objetivos, que apenas luta para salvar pessoas sem saber o porquê. Com a cabeça à prêmio e vivendo como uma fugitiva, seu caminho se cruza com o de Yamada, que vive o dilema de revelar-lhe ou não sua verdadeira identidade. Juntos, eles trilharão caminhos tortuosos em busca de seus propósitos e reencontrarão alguns de seus entes mais queridos.

A Samurai: Yorimichi é uma HQ ambientada no período Edo (1603-1868), época em que senhores feudais brigavam entre si por mais terras e poder. Em um ambiente dominado pelos homens, A Samurai terá que enfrentar o daimyou Nobuhiro para mostrar que seu papel na sociedade vai muito além de pertencer a um senhor feudal.

A HQ está sendo financiada pelo Catarse e você tem apenas até dia 30/08 para apoiar o trabalho da Mylle.  O projeto já reuniu cerca de 200 apoiadores e precisa da ajuda de todos para se tornar realidade.Então não perde tempo e ajuda esse projeto lindo!❤

Campanha – https://www.catarse.me/asamurai2

Hotsite – http://asamurai.manjericcao.com.br

Conheça mais sobre o projeto no vídeo abaixo:

 

Espero que tenham curtido! Até a próxima❤

 

afinaqmaltem

A (não) Depilação Feminina

Voltei com uma polêmica.

Vocês, mulheres, que estão lendo: Vocês se depilam? Porquê? A quanto tempo? Quem ensinou? Eu não me depilo mais, faz uns 2 anos, pois recebi apoio e me aceitei.

Quando eu tinha 13 anos e minhas amigas da 8ª série exibiam os primeiros pelos (pra não dizer penugens) e consequentemente, suas pernas depiladas, eu pensei “pô to aqui tão infantil e elas tão adultas já se depilando”, aquilo em doía e fazia eu me sentir “menos mulher” e mais criança.

Eu tinha leves pelos, claríssimos e imperceptíveis e comecei com a asneira de entrar nessa jornada ridícula. Eu digo ridícula porque, o que uns leves pelos estão fazendo dtumblr_o3f6nfk89j1u289r2o1_500e mal que não podem ficar ali? Por que eu tenho q esconder os pelos q nascem em mim, das pessoas, sendo q essas outras pessoas também têm a mesma coisa que eu?

Sofro muito preconceito por ser natural. As pessoas acham que por eu ter pelos, sou menos limpa, sou “relaxada”. Depilação não te faz ser mais limpa que eu, mais feminina que eu  e melhor que eu.

Eu sempre tive esse pensamento, que se fosse uma coisa ruim, não estaria no meu corpo. Se fosse ruim, não nascia, simplesmente. Se fosse tão horrível, nós tomaríamos remédios pra combater esse mal. Isso é puro machismo impregnado de que “a mulher tem q ser feminina, a mulher tem q ser lisinha de tocar”, mas infelizmente algumas manas ainda não se deram conta que, mulher não tem q ser assim ou assado como a sociedade comanda. A mulher deve ser COMO ELA BEM ENTENDER!

Eu não tenho que agradar ninguém, os pelos estão no MEU CORPO! MINHAS REGRAS!

Fiquem com depoimentos de algumas pessoas que, assim como eu e você, tem pelos e sabem que cada um deve cuidar da sua vidinha e fazer o que bem entende com eles🙂

“Eu me depilo sempre porque já faz parte de mim, não consigo ficar cabeluda. Cada um faz o que quer com seu corpo. Eu depilo tudo, as vezes esqueço das pernas, mas não gosto de pelos nelas, gosto de andar lisa.”
ANÔNIMA – 24 anos

“Me depilo desde muito cedo, uns 11/12 anos. Não me sentia bem por ter muitos pêlos e eles serem escuros demais. A lâmina sempre me deu alergia, então fui depilar com cera (sim, onze anos e depilação total com cera, inclusive até a sobrancelha). Tudo correu muito bem até os meus 16 anos, e eis que um dia acordei com a perna cheia de feridas e o rosto também. Fui na dermatologista e ela disse que eu provavelmente tinha alergia a cera. Quando ela disse que eu teria que ficar uns três meses sem me depilar, quase enlouqueci. Fiquei. Usava calça num calor horrível por vergonha do meu corpo. Passou esse período e eu voltei a me depilar, mas não podia ser com tanta frequência como antes. Então fui deixando um mês, dois, três, quatro e vi que aquilo não era necessário pra mim. Eu posso ter pêlos nas pernas e sair de shortinho na rua, eu posso ter excesso na sobrancelha e usar um delineador maravilhoso. Isso nunca vai mudar a minha personalidade ou se sou higiênica ou não, sou maniática com a minha higiene. Mas, o que eu tenho está ali e é meu. As pessoas olhavam com mais frequência e com cara de nojo, acredito que umas realmente sentiam nojo e outras, queriam ter a coragem de sair assim.”

ISADORA – 18 ANOS

“Parei de me depilar há 2 anos. Comecei com a ideia de parar por uma lógica muito boba quando eu era adolescente: “porque continuar me depilando se os pelos vão voltar?” quando parei, recebi represálias da minha mãe, mas nada muito invasivo. Inicialmente comecei com as pernas, depois a axila e no momento estou tentando parar com o buço também. além da lógica boba que eu citei inicialmente, eu tenho bastante alergia nas pernas por causa das lâminas, os pelos encravam mesmo com muita esfoliação… então pra mim, é muito incômodo e um sofrimento desnecessário. Depois que eu parei, me senti livre, mais confiante com meu corpo e sem neurose do que vão pensar sobre meus pelos. Acredito que a maioria das mulheres não conseguem aceitar seus pelos por medo do que vão pensar ou como as pessoas irão reagir quando verem, ou até mesmo por causa do parceiro(a). Meu conselho é que se você tem vontade de parar de se depilar, comece aos poucos. e lembre-se: é seu corpo. ninguém tem nada a ver com ele.”

DESS-23 ANOS, via Twitter

“Como é namorar uma garota que não se depila? Simples, como vc namora alguém que se depila. Pêlos não são coisas anormais que só crescem em homens. São coisas naturais que estão no seu corpo desde sua infância, e se vc quiser ter eles em seu corpo qual o problema? se vc acha q a pessoa tem algum problema porque não apara os pelinhos da perna/axila vc na realidade é a pessoa com problema.”

RAFAEL-22 ANOS

opinião

O Livre arbítrio é bem bom

Oi pessoxs, tudo bem?

Hoje vamos abordar uma lição básica. Que bom que todo mundo é diferente né? Cada um tem uma coisinha chamada liberdade de expressão (só não pode usar pra pregar discurso de ódio, tá), fora isso, cada um tem a liberdade de gostar de isso, aquilo ou aquilo outro.vx14sc

Estamos acompanhando um frenesi na internet por causa de Pokemón Go e por causa da série Stranger Things. E por que eu vim falar disso? Por que eu não gosto dessas duas coisas, e isso meus amigos, é motivo para ser enforcado em praça pública.

Mas Evee, por que tu não gostou?

Pelo simples fato, de que eu não tenho interesse nenhum. Sabe como é abrir o facebook e de 30 posts, 23 são sobre Stranger Things. Já entendi que todo mundo achou a série excepcional, mas abrir as redes sociais e ser metralhado por isso, SATURA A ALMA da gente. Eu não tenho vontade nem de ver um trailer, de tanto que já vi nas timelines as pessoas URRANDO de loucura, fingindo que todos nasceram em 80′ super cults de facebook.

Mas e Pokemón Go?

Eu não sei nem por onde começar a explicar por que isso é tão bobo. Caçar pokemón na rua, a qualquer momento ser assaltado, gastar 3G pra CAÇAR BIXOS???? SRSLY??

Aí entra uma coisinha que eu falei lá em cima: Liberdade. Parece que se a gente não gosta de alguma coisa, somos haters, não somos, só temos aquele famoso direito de não gostar. Não são só as coisas que tu gosta que são legais! Eu amo Glee, mas tem muita gente que não gosta por que acha idiota, mas ok, eu não vou sair fazendo textão por que tem pessoas que não gostam, a série é boa, eu gosto e é isso que importa. Então se teu negocinho é tão bom, por que ficar incomodando as pessoas que não gostam? Senta e vai assistir/jogar., deixa a opinião dos outros em paz, que tal?08-olhos-revirando

Tu pode gostar do que tu quiser, mas não pode exigir que o amiguinho goste também, não é pq o amiguinho fez a escolha de não assistir/não gostar, que ele tá com “ódio no coração”, é por que realemente ele não tá afim! Vamos aprender a respeitar isso, tá bom?

Quer jogar pokemón go? Vai lá e joga. Quer maratonar Stranger Things em 24hs? Vai lá e maratona. Mas não enche meu saco.

Forte abraço.

FotorCreated1

Playlist: Quarta é quase sexta!

Não, não é. Quinta-feira é quase sexta. Mesmo assim, precisamos exercitar o pensamento pensativo, guys. Sério. Questão de vida ou morte. É início de agosto e muita gente está voltando das férias desanimada, mais cansada do que chegou, nervosa, ansiosa etc, mas quem disse que não pudemos mudar nosso astral? YES, WE CAN!

Como diria uma amiga minha, bora ralar o c… bumbum, eu disse bumbum, no asfalto?! Ou pode ser na cadeira mesmo ou dançar internamente, como quiser.

Você pode encontrar e seguir essa playlist no Spotify clicando aqui.

1.  Shakira – La Bicicleta

2. Major Lazer feat Justin Bieber & MØ – Cold Water

3. Demi Lovato – Body Say

4. Calvin Harris feat. Rihanna – This  Is What You Came For

5. Zayn – wHo

6. Fifth Harmony feat. Ty Dolla $ign – Work from home

7. DNCE – Cake By The Ocean

8. Adele – Send My Love (To Your New Lover)

9. Jennifer Lopez – Ain’t Your Mama

10. Selena Gomez – Kill Em With Kindness

Espero ter salvado sua quarta-feira.🙂

Até a próxima!

large_large_Morat

Review: O primeiro álbum da banda Morat

A banda colombiana Morat lançou seu primeiro álbum em junho. “Sobre El Amor Y Sus Efectos Secundarios” contém 12 músicas que, atenção para o spoiler, são apaixonantes. O grupo ganhou notoriedade nos países hispânicos após lançar “Mi Nuevo Vício” com a cantora mexicana Paulina Rubio, no ano passado.

Se você não está lembrado ou não viu, te apresentamos o grupo no “Descobrindo Bandas”. No post, contamos a história do grupo e te mostramos os singles lançados até então. Não deixe de conferir!

Sem mais delongas, bora para o review!

1. Mi Nuevo Vício é basicamente sobre uma paixão viciante e ao mesmo tempo conflitante e o ritmo é aquele que vai te fazer sair dançando pela casa! Mi nuevo vício, confesso, é o meu novo vício. Gostou do trocadilho? Apenas verdades.

2. En Un Sólo Día fala sobre um amor à primeira vista. O casal se conhece em uma festa e já se dá super bem logo de cara. O encontro, então, deixa saudades como se os dois se conhecessem há muito tempo.

3. Aprender A Quererte fala de um amor possivelmente platônico. Não se sabe nada sobre a outra pessoa, mas há um imenso desejo de saber tudo sobre ela e a fazer feliz. Quem nunca, não é mesmo? haha O videoclipe foi lançado no último dia 8 e faz parte de uma campanha da banda contra o trabalho infantil.

4. Yo Más Te Adoro é um relato sobre um amor não correspondido, mas que provoca mais e mais sentimento a medida que a pessoa amada foge. Talvez o refrão grude na sua cabeça, mas não se preocupe porque é absolutamente normal.😛 O videoclipe foi lançado há uma semana, confira:

5. Di Que No Te Vas é uma música que já era conhecida dos fãs, pois foi lançada antes do álbum. Como o nome sugere, é um pedido para que a pessoa amada não se vá. Se você se identificar com a letra, alerta vermelho: você está apaixonado e na famigerada bad.

6. Cómo Te Atreves é a música mais conhecida do quarteto. Como você percebeu, esse álbum te acompanha em vários momentos do coração partido e antes mesmo disso acontecer. Essa canção, no caso, tem um tom de fúria comumente sentido quando a pessoa ressurge das cinzas e provoca sentimentos que você acreditava piamente que havia superado.

7. Una Vez Más possivelmente é o que acontece depois de “Cómo Te Atreves”, quando você tem uma recaída e deseja ter o ser amado uma vez mais. Sólo una.

8. Mil Tormentas (feat. Cali y El Dandee) é possivelmente a que mais me emociona. Ela é uma música calma, porém carregada de arrependimentos, sentimentos e assuntos mal acabados, tanto que não consegui resumir em uma frase.

9. Ahora Que No Puedo Hablar é mais sobre a dor que você sente ao perceber que está perdendo seu amor. “No queda nada si te vas” (não sobra nada se você se for) resume bem.

10. Cuánto Me Duele fala sobre o sentimento de se sentir perdido e ferido após o término de um relacionamento ainda que o(a) ex não mereça nada do que você sente.

11. Ya No Estás Tú é, finalmente, sobre a superação. Há muito sobre aceitação de que as coisas aconteceram como deveriam e que a cada dia que passa, você se sente mais forte.😀

12. Mi Nuevo Vício finaliza o álbum com a versão em parceria com a cantora Paulina Rubio. Qual sua versão favorita?

Ao final, refletindo música por música, percebi que Sobre El Amor Y Sus Efectos Secundarios conta o antes, o durante e o final do amor. Carregado de sentimentos que todos já sentimos pelo menos uma vez na vida, não há como não se identificar com as letras das músicas. Particularmente, amo perceber que uma música diz por mim tudo o que estou sentindo ou sobre o que já senti. É como se os músicos nos compreendessem e apoiassem nos momentos mais difíceis mesmo sem saber.❤

Obviamente, recomendo que você dê uma chance para esse grupo novo que já significa tanto para mim. Sei que poucos brasileiros estão acostumados a prestigiar o trabalho de bandas hispânicas, então dê uma chance a eles que te juro que você não vai se arrepender.

Você pode ouvir o álbum completo no Spotify ou compra-lo no Itunes. Além disso, pode se inscrever no canal da banda no Youtube, onde se encontram todos os clipes lançados.